Ilhéus vive no duelo de interesses. Uma hora é industrial outra turística, uma hora turística outra é ponte de criticas pelo mais simples requisito que uma cidade precisa para recepcionar um visitante. Higiene.

A Central de Abastecimento do Malhado, bairro popular de Ilhéus, é um grande vilão deste requisito.  A feira da cidade conta com um canal a céu aberto, por onde passa esgoto e é foco de doenças, pois bem ao lado dele estão localizados boxes de carne, frutas, legumes tornando o alimento vendido na central vulnerável a bactérias.

“É  estranho uma cidade tão linda como Ilhéus, ter um canal como este em frente a uma feira. Eu amei Ilhéus, mas esta imagem aqui foi a que me marcou, pois não dá pra aceitar que seja permitido pela população e pelos comerciantes que o poder público ainda não tenha tomado providencia com relação a isso”, disse a turista paulista, Ama Rita Gusmão, em conversa com o RádioZap Circo Brasileiro, na visita que fez a central de abastecimento, na manhã desta quarta feira.

No ultimo dia 9 de agosto,  equipes da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Defesa Civil (Seinfra) acompanharam os trabalhos iniciais da primeira etapa do fechamento do canal do bairro Malhado, na altura do Supermercado Rondelli à loja Serafértil.

Entre os principais serviços que prometeram ser feitos estão o levantamento topográfico da área do canal, considerando curvas, níveis e interferências. Depois de cindo dias, teria sido realizado início da sondagem do projeto estrutural. Segundo os engenheiros, cumpridas estas etapas, iniciaria o processo orçamentário para em seguida licitar a obra. Mas para o comerciante Julio Do Carmo, morador do Malhado: “É preciso fiscalizar, para que esta obra, se é que vai chegar mesmo, que seja concluída e não vire um elefante branco até o ano que vem, por causa das eleições”, concluiu o cidadão.